Como chegar
|
Contactos

Interpretação e Valorização do Património Cultural 2016/2017

  • 5 ECTS
  • Lecionada em Português
  • Avaliação Final

Objetivos

Analisar a interpretação e a valorização do património cultural como instrumento de leitura e de comunicação;
Reconhecer os instrumentos, os métodos e as técnicas de abordagem da investigação, inventariação, estudo e proteção dos bens culturais associados à valorização patrimonial e aos estudos de casos concretos;
Compreender a interpretação como instrumento metodológico e técnico de valorização da reabilitação do património cultural;
Reconhecer o impacto das redes e de uma comunicação acessível implementada como boas práticas em estudos de casos.

Pré-Requisitos Recomendados

Não se aplica

Método de Ensino

Método expositivo em articulação com o método interrogativo de forma a promover a transmissão de conhecimentos em aulas teórico-práticas; Estudo de casos: aulas práticas com resolução de casos reais ou simulados, em atividades individuais ou de grupos, de forma cooperativa; seminários; visitas externas ou de estudo; visitas virtuais. Aprendizagem autónoma através da realização de projetos de pesquisa sobre um tema à escolha apresentado posteriormente pelo aluno promovendo um debate reflexivo.

Conteúdos Programáticos

1. Caraterização e interpretação dos documentos
2. Interpretação e Valorização de Estações Arqueológicas
2.1 - A interpretação e a elaboração dos projetos de valorização/reabilitação
2.2 - Metodologia aplicada à conservação, restauro, dinamização e rentabilização de diversos tipos de arquiteturas arqueológicas
2.3 - Estudos de caso
3. Leitura e Valorização de Património Construído
3.1 Definição de conceitos
3.2 A Gestão da preservação/conservação como parte integrante da Gestão do património.
3.2.1- A importância dos planos de conservação preventiva.
4. O Turismo como fator de sustentabilidade económica dos bens culturais e como fator de desenvolvimento do território
4.1 A sustentabilidade dos centros históricos e dos bens classificados como património mundial
4.2 Da arquitetura tradicional portuguesa ao hotel rural
4.3 Acessibilidade e mobilidade aos bens culturais
4.4 Estudos de caso

Bibliografia e Webgrafia Recomendada

AGUIAR, José, Cor e cidade histórica. Estudos cromáticos e conservação do património, FAUP, 2003
BALLART, Joseph. (1997). El Patrimonio histórico y arqueológico: valor y uso, Barcelona, Ed. Ariel.
BARCIA, Paula. (1990). Manual de Historia ao Vivo. Ministério da Educação, Lisboa.
BRANDI, C.,Teoria del Restauro... Roma: Enaudi, 1977.
CAPITEL, A, Metamorfosis de Monumentos y Teorias de la Restauración... Madrid: Alianza, 1992.
CÓIAS, Vitor; Gonçalves, Catarina Valença; Farinha, João Carlos; Oliveira, Marcos., Manual de Educação em Património Arquitectónico. Lisboa: GECoRPA, 2006.
COLES, G. M. (1986). In situ archeological conservation. Antiquity, 10, no 228, London.
CUSTODIO, Jorge. 1993. Salvaguarda do património - antecedentes históricos: de Alexandre Herculano... Carta de Veneza (1837-1964). Dar Futuro ao Passado/IPPAR, 33-71.
HUGHES, M. e L. Rowley ed. (1986). The Management and Presentation of Field Monuments. Oxford University, Oxford.

Bibliografia Complementar

APPLETON, João Guilherme, Reabilitação de Edifícios Antigos. Lisboa: Edições Orion, 2003.
DE GRACIA, F. (1992). Construir en lo construido, La arquitectura como modificación, Madrid, Nerea.
FEILDEN, B.; JOHKILEHTO, J. (1993). Management guidelines for the world cultural heritage sites. Roma: ICCROM - ICOMOS.
FERREIRA, Carlos. 1992. Valorizar e desenvolver as áreas de património classificado. Lisboa, IPPAR.
FERREIRA, Carlos. (1992). Restauro dos monumentos históricos: restaurar porquê? Restaurar o quê? Restaurar quando e como?/ Lisboa: IPPC.
GOUVEIA, H. C. (1992). A Musealização de sítios - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, Porto, 32, 87-100.
HENRIQUES, F. (1991). A Conservação do Património Histórico Edificado, Memória nº 775 do LNEC. Lisboa, LNEC.
SILVA, M. Fátima M. (coord.) (2002).Actas do Simpósio Conservação e Intervenção em Sítios Arqueológicos e Monumentos Históricos, Porto/Paredes de Coura.
TEIXEIRA, G; Belém, M., (1998). Diálogos de edificação.

Planificação Semanal

Aula 1
15/Abril - 14h30h-19h30h
Apresentação do módulo.
Considerações diversas sobre os conteúdos programáticos, a bibliografia, o sistema de avaliação, as atividades externas, entre outros elementos consignados na ficha de unidade curricular
Informações diversas e enquadramento dos trabalhos de investigação a desenvolver no âmbito do módulo.
Caraterização e interpretação dos documentos
Interpretação e Valorização de Estações Arqueológicas
A interpretação e a elaborarão dos projetos de valorização/reabilitação

Aula 2
22/Abril/2016 - 14h30h-19h30h
Metodologia aplicada à conservação, restauro, dinamização e rentabilização de diversos tipos de arquiteturas arqueológicas
Estudos de caso
Leitura e Valorização de Património Construído
Definição de conceitos
A Gestão da preservação/conservação como parte integrante da Gestão do património.
A importância dos planos de conservação preventiva.

Aula 3
23/Abril - 9h-13h - 14h-18h Visita de Estudo

Aula 4
29/Abril
14h30h-19h30h
O Turismo como fator de sustentabilidade económica dos bens culturais e como fator de desenvolvimento do território
A sustentabilidade dos centros históricos e dos bens classificados como património mundial
Da arquitetura tradicional portuguesa ao hotel rural
Acessibilidade e mobilidade aos bens culturais
Estudos de caso

Aula 5
23/Abril
9h-13h; 14h-17h - Visita de Estudo

Coerência do programa para com os objetivos

Os conteúdos programáticos são claramente coerentes com os objetivos da unidade curricular dado que foram criados conjunta e harmonicamente como uma unidade indissociável sem a qual a unidade curricular não teria qualquer sentido. Por exemplo, os estudos de casos relativos à abordagem dos diversos tipos de bens culturais estão claramente referidos nos objetivos, tal como as visitas de estudo e outros mencionadas para que os conteúdos que se pretendem transmitir aos estudantes lhe cheguem de uma forma direta, numa interação conjugada que passa pelo aprender vendo fazer e fazendo.

Coerência dos métodos de ensino para com os objetivos

As metodologias de ensino são manifestamente coerentes com os objetivos da unidade curricular na medida em que estas promovem um ensino teórico-prático aliado à realização de trabalhos de investigação (aprendizagem por projeto), numa metodologia de investigação-ação para que sejam cumpridos os principais objetivos de identificação, inventariação, estudo, proteção e valorização dos bens culturais. Essa coerência fica clara no exposto relativo aos objetivos e à metodologia de ensino.

competência genérica relevantedesenvolvida?avaliada?
Análise e síntese Sim
Aptidão para aplicação na prática dos conhecimentos teóricos Sim
Capacidade crítica e de avaliaçãoSimSim
Capacidade de adaptação a novas situaçõesSimSim
Capacidade de auto-critica e de auto-avaliaçãoSimSim
Capacidade de decisão Sim
Capacidade de iniciativa e espírito empreendedor Sim
Capacidade de investigaçãoSimSim
Comportamento ético e responsável Sim
Preocupação com a eficácia Sim
Preocupação com a qualidade Sim
Este website usa cookies para funcionar melhor e medir a performance (Diretiva da União Europeia 2009/136/EC)
Por favor dispense alguns minutos para responder a umas perguntas rápidas sobre o nosso website.